terça-feira, 22 de setembro de 2020

Foto Bence Mate/WWF

Estação Primavera


 

Imersa num halo azul

revoluciona uma esfera

Aqui nas bandas do sul

tudo em compasso de espera

 

No ciclo da natureza

o trem da vida prospera

Vegeta gesta beleza

na Estação Primavera

 

Passageiros desolados

desbotados da viagem

assim que desembarcados

 

tomados de primaveras

com os restos da estiagem

plantam flores e quimeras

 

AC - Sampa, 22/09/2020

sábado, 5 de setembro de 2020

Reflexão para um ano que agoniza em pleno corredor do calendário

Tem doença que mata
e doença que maltrata.
Tem a que maltrata e não mata
e a fatal, definitiva, que mata sem maltratar.
Tem ainda as mais cruéis,
que matam devagarinho,
por gosto de maltratar.
Doença de qualquer tipo
a gente não quer passar.
Mas, sendo que não tem jeito,
se desse para escolher,
cada um pensa dum jeito,
prefere a morte ou sofrer.
Uns querem a morte súbita,
liquidar logo a fatura.
Outros pedem a doença crônica,
que arrasta sua asa negra
no diário desconforto
que transforma o organismo
num estorvo requintado,
dolorido e repisado.
Mas, seja qual for, a escolha
pode ser contrariada.
Quem tem saúde já sabe
que essa alta é provisória
e que um dia chega a hora
de baixar enfermaria.
Quando adoece, não sabe
se a morbidez é benigna
– que só maltrata e não mata –
ou contém malignidade.
Se for benigna, ainda resta
saber se crônica ou aguda:
Se tortura lentamente
ou dói tudo de uma vez.
Diagnóstico acertado
também não é garantia,
pois tem muita cura em falta
na medicina hoje em dia.
E o marketing da saúde,
quando faz o lançamento
de uma nova terapia,
logo inventa nova síndrome,
que conduz ao consultório
nova leva de pacientes
que se tornam portadores
de um novo mal incurável,
mas que pode ser tratado,
permitindo ao pobre diabo
viver quase normalmente,
se tomar alguns cuidados
e a sua ração diária
dos remédios receitados,
de uso restrito e continuado.
A doença leva dor
ao doente e seu entorno,
que sofre, por empatia,
de perda súbita ou dó.
Tem doença de varejo,
que pega uma só pessoa.
E tem outras, de atacado,
que logo vão produzindo
estatísticas sinistras
que adornam o noticiário.
Tem distúrbio bem discreto,
que causa uma dor secreta.
E tem os escandalosos,
que, mais que ser dolorosos,
maltratam a criatura
exibindo-lhe a figura
em situação humilhante,
enquanto não chega o dia
de levá-la à sepultura.
Ter doenças ninguém quer,
mas ninguém delas escapa,
seja homem ou mulher.
E o que mata um vivente,
para outro não é nada.
Uns curam-se do incurável,
outros partem desta vida
por um simples resfriado.
Os tratamentos variam
conforme a fé do coitado.
Uns creem na medicina,
outros dela desconfiam.
Uns querem curar o corpo
e outros, desencantados,
procuram, resignados,
tratamento paliativo
ou terapia que ajude
seu espírito cansado
a resistir bravamente
ante a tortura cruel,
sem esperança de cura.
Seja qual for a doença,
desconforto ou agonia,
isso é coisa de nascença,
que se aprende desde cedo
a suportar todo dia.
A cura definitiva,
a remissão radical,
por mais estranho que seja,
é algo que ninguém quer.
Todos temem essa hora,
o doente em agonia
implora por mais um dia
vivendo na enfermaria.
Preferem a recidiva
que a alta definitiva:
ter seu óbito atestado
e registrado em cartório.
Mas raciocine comigo,
colega de enfermaria:
Se o corpo vive doente,
entra e sai do hospital,
então livrar-se do corpo
será saúde, afinal?
Será, viver neste mundo,
necessário tratamento
para males mais profundos?
Estaremos, talvez,
(− Quem diria!)
numa grande enfermaria,
onde uns tomam remédio,
outros fazem cirurgia,
alguns inspiram cuidados
e outros, mais agravados,
vivem presos a aparelhos,
monitorados de perto
pela equipe do plantão?
Não sei, nem devo saber
se isto faz algum sentido.
Cada um sabe de si
e do texto sabe o leitor.
Mas veja se não ocorre
muita gente ser curada
de morbidezas da alma
quando sente a morte perto,
rondando-lhe a cabeceira?
Ou quando a dor lancinante
trespassa o seu organismo?
Não lhe parece também
que algumas chagas da alma
cicatrizam quando o corpo
em chagas se desmilingue?
Ou que algumas pessoas
melhoram sensivelmente
enquanto o corpo adoece?
Mas nem sempre isso acontece,
eu concordo com o leitor.
Tem quem sofre e não aprende
e o que aprende sem sofrer.
Sucede que se esta vida
for mesmo um grande hospital,
terapias alternativas
devem estar disponíveis.
Que se trate como quer,
do jeito que lhe aprouver.
Concordo que algumas vezes
a gente não tem escolha,
mas será que nesses casos
a escolha foi sendo feita
aos poucos, devagarinho,
assim definindo o caminho
que conduz à enfermaria?
Peço, releve o leitor
assunto tão enfermiço,
inda mais numa hora destas,
em cima do fim do ano,
quando todos fazem planos
e formulam seus desejos
de saúde e coisas boas.
É que hoje estou sorumbático,
talvez um tanto apreensivo,
pensando que estar no mundo
deve ter algum motivo.
Mas saibam que neste corpo,
mesmo que meio imperfeito,
meu coração bate forte
em código Morse afetivo,
mensagens esperançosas
de quem busca nas palavras
a cura da minha alma,
palmo a palmo com a sua,
nesta drágea de poesia.

AC- Sampa, 31/12/12.

segunda-feira, 11 de maio de 2020

sábado, 25 de maio de 2019

Aldilá


Faísca do Eterno
Um raio de amor
Num coração materno
Aldilá / Psicografia AC

sábado, 18 de maio de 2019

Amplo Espectro - O grande livro do poeta Roberto Prado


Transcrevo aqui o prefácio que tive a honra de escrever.



Amplo Espectro – Prefácio
Alberto Centurião

Seres multifacetados que somos, em múltiplas personas nos manifestamos; porém existe uma delas que mais nos mostra e revela. Pois a persona poeta é aquela que mais se afeiçoa à protoface pessoa, porque de todos os feitos manifestos do sujeito é a poesia seu jeito de mostrar-se o mais inteiro e perfeito, para seu próprio deleite. São muitos Robertos Prado, mas a persona poeta do sujeito indigitado é aquela a que me refiro aqui nestas maltraçadas. Não falo, pois, da pessoa, mas da persona poeta. Por certo, a que mais chega perto do nosso amigo Roberto, mais conhecido por Beco.

Pelo conjunto da obra, Roberto Prado está entre os grandes de sua geração e se destaca em meio àquela chusma de bravos que, há meio século, aquartelados em Curitiba, produzem essa beleza grátis, perfeita, natural a que chamamos poesia, que vira música, que vira teatro, que vira slogan, que vira e mexe invade a vida e causa espécie, espanto e alumbramento.

Do alto de seus quase dois metros de estatura física, está em posição privilegiada para lançar mira sobre o mundo, a caçar mazelas e belezas, em busca de inspiração e motivo para essa obra de amplo espectro, destilada neste tomo e diluída em inúmeros solos e parcerias que se espraiam por outras praias – o cinema, a música, o teatro, a crônica, o conto, a tradução e a novela literária – além das tarefas do ganha-pão com o jornalismo, a propaganda e o marketing – e de nutrir sua numerosa prole com pão e poesia, amor e filosofia.

Manuel Bandeira declarava-se poeta menor, (1) por suas características de temática e linguagem, em contraste com os ditos poetas maiores, grandiloquentemente voltados a temas sociais e universais. Já Roberto Prado passeia com desenvoltura por grandes e pequenos temas, sabendo ser épico e confessional, filosófico e romântico, místico e satírico; ao tratar com igual desenvoltura microcosmos e macrocosmo, paixões e revoluções, sua lira soe soar contrapontos de infinitos e infinitésimos, tragédia e farsa, filosofia mística e miséria social. Sendo de sua natureza ser poeta maior e menor, produziu a obra de amplo espectro contida neste tomo, sob o título que de certa forma, inadvertidamente ou não, o classifica e define.

Trinando com igual desenvoltura sua voz pelas escalas maior e menor, alevanta-se na rara condição de poeta de amplo espectro. Humildemente carismático, sabe ser confessional sem pieguice e descer aos detalhes sem perder perspectiva. Navega no mar das emoções sem afogar-se num rio de lágrimas, discreto e marcante, coerente e contraditório, múltiplo e único. Recatado sem timidez, respeitoso sem subserviência, alegre sem euforia, grandioso sem grandiloquência, engajado sem ser panfletário, delicado sem fragilidade e vigoroso sem pesar a mão, sua poesia é sofisticada sem hermetismo, descomplicada e complexa, requintada sem ostentação, simples com estilo e veemente sem imposição. Como ele não disse, mas poderia ter dito: É pouco ou vai querer mais?

quinta-feira, 12 de outubro de 2017